Publicado em coisas, pensamentos, psico

“Caretice” Parte I

Inspirada hoje por um ocorrido com um amigo meu, resolvi expressar meu radicalismo

Situação: rapaz na faixa de 20 anos, tinha uma namorada na faixa dos 18. Após alguns rompimentos, eles decidem terminar. E passados uns meses, eis a notícia: ela está grávida! E ele? É o pai. 
Resultado: duas crianças brincaram de casinha sem pensar nas consequências. Ele está sem chão, sentindo-se sem rumo, nem raciocinando direito está. Ela? Não conheço. Mas imagino o que deve passar na cabeça de uma menina nesta situação. E não deve ser nada bom.

Isso me fez refletir um pouco. 
Quando eu era mais nova… todas (salvo algumas poucas) as minhas amigas hoje tem filho e não tem uma família, um marido, nem estrutura. 

Meu ponto de vista: 

(…) Aí eu penso: valeu e vale a pena EU esperar. Eu sou feliz do jeito que decidi viver!
É por isso que eu digo com todas as letras e não tenho vergonha:
DEFENDO MESMO O SEXO SÓ DEPOIS DO CASAMENTO.
Hoje eu reconheço o quanto valeu e vale esperar.

E essa história se repete a todo instante com vários jovens.
Parem com esse pensamento de que: ‘Comigo não vai acontecer.’ Se você está na chuva vai se molhar. Pode acontecer sim! 

Fico pensando nos traumas psicológicos que são causados, nas drásticas mudanças que um semi-adulto deve fazer para, forçadamente, amadurecer.

Hoje está tudo muito banalizado, tudo muito normal, o que se prega é ‘O que importa é ser feliz’, ou ‘Não dá nada’, ‘Carpe Diem’ e por aí vai. Só que não é bem por aí. Na hora, no momento pode ser a MELHOR coisa do mundo… mas cada ação uma reação, cada escolha uma consequência.

Tudo o que vem fácil, vai fácil. As pessoas não se esforçam mais para quase nada. Por isso que esse mundo tá virado desse jeito.
“Pra quê casar, se eu posso ter um companheiro (sem o compromisso e responsabilidade do casamento) com quem eu faço sexo e a gente se dá bem? Não precisa casar! ” 

O ato sexual e todas as preliminares que o acompanham são uma expressão de total entregatotal confiança na outra pessoa, quando duas pessoas se despem e literalmente numa expressão de que não existem mais segredos entre elas. É o ato mais íntimo que qualquer ser humano pode atingir em relação a outra pessoa.
Não entendem que o sexo foi feito para o casamento? Que o sexo é o maior presente do casamento? Os relacionamentos que antecedem o matrimônio são para amadurecimento do casal como indivíduos, para se trabalhar o respeito, a cumplicidade, trabalhar as diferenças, as perspectivas de futuro,  aprender a gostar do outro como ele é, enfim… namoro/noivado é um degrau que se sobe rumando ao altar.

O problema de se considerar o sexo como o ponto de partida de um relacionamento é que quando o sexo faltar, e um dia vai faltar, iremos imediatamente procurar por outra experiência sexual como forma de garantir a manutenção de algum relacionamento. O processo não tem fim, porque se o relacionamento começa a partir da experiência e satisfação física, com a idade essa satisfação irá desaparecer para um ou para outro, porque fisicamente um casal pode envelhecer a um ritmo diferente.
Não caiam nessa de “Se você me ama, me prova seu amor, vamos transar” . Quando o cara te ama, a única coisa que ele vai querer, é mudar seu sobrenome! E vai esperar, JUNTO com você.

Digo ainda que não existem casais perfeitos, existem casais que escolheram  se amar!  Escolheram superar as dificuldades que aparecerão ao longo da jornada. E não desistir logo quando o primeiro problema aparece!
Esse é o grande lance!

Ainda assim, eu decidi viver diferente. Porque eu não quero uma história igual a maioria! Porque eu decidi fazer diferença, ser influência! Porque eu decidi fazer parte do time que rema na contramão. Não simplesmente para ser do contra, mas para dizer através da minha vida, que VALE A PENA!

Não vou colocar em pauta questões religiosas, até porque estou tratando questões de moral que já geram uma grande discussão. No entanto, entendo que os planos de Deus são perfeitos, a gente que estraga.

Finalizo então, desejando que esse post tenha feito alguma diferença p/ você que o leu.
E como sei que só meus amigos que o leêm, qualquer coisa dá um grito aí que a gente conversa.

By Ana Tavarez

Anúncios

Autor:

Escrever é enfiar o dedo na garganta.

Uma opinião sobre ““Caretice” Parte I

  1. Fatoo !!!! Concordo contigo.
    Tive experiencia sexual, mas optei agora por esperar. Devemos primeiro nos valorizar, nos amarmos, pra ai então entregarmos pra alguem que saiba o que quer, que tenha valores como os nossos, algo tão importante, nosso corpo.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s